ND AMA

''LITLLE MISS SUNSHINE'' 4.0 #FICAADICA21/02/19

Body Positivity e romance são as delícias dessa nova produção do Netlix

Imgine ser filha de uma ex-miss e não atender às normas do restrito mundinho das mulheres mais belas da "América". Essa poderia ser a história de Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), uma jovem fora do peso que, desde que se entende por gente, é chamada “carinhosamente” pela mãe Rosie (Jennifer Aniston) de “dumplin” - gordinha! -, o nome do filme.

Will e Rosie: filha e mãe? 

Essa história poderia ser a de uma garota fora dos padrões que busca se encaixar no sistema, mas Will foi criada pela tia plus size Lucy, que lhe deu muitos suprimentos pra se amar do jeito que é e, por isso, liga zero para o status quo.

Sua participação num tradicional concurso de beleza texano, organizado pela própria mãe, é só um desafio, uma forma de protestar contra aquilo tudo e, ainda, uma maneira de enfrentar a paixão que sente pelo colega de trabalho bonitão, que tinha tudo para não ficar com ela, mas - spoiler - ele fica.

Nesta empreitada, que é muito mais divertida que lamuriosa (daí o barato de "Dumplin"), Will ganha a companhia de três amigas, que também não atendem ao padrão lourinha-cheerleader que faz aberturas e contorcionismos no palco, e juntas conseguem resultados louváveis.

Dirigido por Anne Fletcher, a produção do Netflix tem várias das tags da atualidade: trabalha com o conceito de "body positivity" e inclui as drag queens. Aliás, quem treina as meninas para o grande dia são justamente as drags, que têm como ícone a diva country Dolly Parton, famosa por músicas que são quase um manual de autoajuda. Frases de Dolly, como  “É difícil ser um diamante em um mundo cheio de strass”, norteiam a vida de nossa valente protagonista e suas amigas e, claro, rendem uma trilha sonora deliciosa.   

Serviço

Dumplin

ONDE: Em cartaz no Netflix

 

NATALIA DORNELLAS 

FOTOS: DIVULGAÇÃO



COMPARTILHE A MATÉRIA


COMENTÁRIOS




MENSAGEM




FACEBOOK